Início / Cultura / CINE BIKE – FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA E MOBILIDADE URBANA

CINE BIKE – FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA E MOBILIDADE URBANA

CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL BRASÍLIA, DE 19 A 31 DE JULHO DE 2022.

Festival de cinema inédito no Brasil convida o espectador a uma mudança de hábitos e defende a bicicleta como meio sustentável de transporte 

“Pensar global, agir local”. A partir dessa máxima nasceu o CINE BIKE – Festival Internacional de Cinema e Mobilidade Urbana, que o Centro Cultural Banco do Brasil em Brasília realiza de 19 a 31 de julho, com exibições de filmes ao ar livre e no cinema, mostra virtual, oficinas, debates, passeio ciclístico e várias atividades educativas. A ideia é propor a reflexão e a tomada de consciência ambiental em nome da sustentabilidade, investindo na educação, na informação e no divertimento.

A abertura será às 19h30 do dia 19 de julho, com a exibição de “O garoto e a bicicleta”, primeiro filme dirigido por Ridley Scott em 1965 (com o irmão Tom Scott no elenco) e da produção inédita portuguesa “A alma de um ciclista”, dirigida por Nuno Tavares. CINE BIKE conta com o patrocínio do Banco do Brasil. Todas as atividades têm entrada franca.

Ao longo de duas semanas, serão exibidos filmes inéditos sobre mobilidade urbana realizados por diretores independentes de várias partes do mundo, clássicos do cinema que têm a bicicleta como um elemento relevante da narrativa, ficções, animações e títulos especialmente selecionados para o público infantil.

Grande parte das atividades acontecerá ao ar livre, fazendo um convite a pessoas de todas as idades. Estão na programação exibições em telão especialmente montado para o evento nos jardins do CCBB e numa tela de LED dedicada à programação infantil; passeio ciclístico contando com o apoio do Detran-DF; atividades educativas para crianças (como aprender a andar de bicicleta, por exemplo); área para food-bikes e várias outras ações.

E ainda palestras com nomes de ponta do pensamento sobre mobilidade urbana no Brasil e em Brasília, oficinas de manutenção básica para pequenos consertos de bicicletas, lançamento de livro, painel de debates e muito mais. Um grande evento de cinema, mas também um fórum de discussão, tendo a bicicleta como protagonista, dentro e fora da tela. A curadoria é do professor e crítico de cinema Sérgio Moriconi.

O FESTIVAL

Pela tela do CINE BIKE será possível assistir a filmes produzidos na França, Holanda, Portugal, Grã-Bretanha, Suécia, Itália, Alemanha e Brasil, em diferentes épocas do século XX e XXI. São títulos como “Carrossel da Esperança”, de 1949, comédia escrita e protagonizada por Jacques Tati; o premiado holandês “Porque pedalamos”; a célebre animação As Bicicletas de Belleville; o clássico italiano “Ladrões de Bicicleta”, de Vittorio de Sica; a produção inédita portuguesa “A alma de um ciclista”, de Nuno Tavares; e o sueco “Bikes vs Carros”, de Fredrik Gertten.

Também integram a programação a comédia francesa “Pânico na cidade”, de Yann Le Quellec; o curioso “Velotopia”, do francês Erik Fretel; o histórico “Meu segredo italiano”, do italiano Oren Jacoby, e a produção alemã “O quadro invisível”, de Cynthia Beatt, além de “A Rainha bicicleta”, de Laurent Védrine,  o brasileiro “A volta em Minas”, a produção brasiliense “No rastro das cargueiras”, dentre muitos outros.

Entre os curtas, destaque para a produção cubana “As bicicletas de Havana” ( filme gentilmente cedido pela Kauri Multimedia); o delicioso “Os pivetes”, primeiro filme dirigido por François Truffaut; o norte-americano “Todos os corpos na Bike”, tratando de inclusão; o holandês “Mama Agatha” e o clássico de Jacques Tati, “Escola de carteiros”. As exibições terão entrada franca, mediante reserva de ingresso.

No primeiro final de semana do festival, atividades ao ar livre voltadas para crianças e adultos ensinarão a andar de bicicleta, fazer pequenos consertos e melhorar as bikes, além de oferecer dicas sobre pedalar em segurança, com participação de representantes do Detran-DF e do projeto Bike Anjo. Também haverá o lançamento do livro infantil “Pedalar é suave”, uma iniciativa da ONG Rodas da Paz, escrito por Josi Paz, inspirado na história do ciclista, sociólogo e ativista Raul Aragão, voluntário da ONG Rodas da Paz, que foi atropelado e morto, em 2017, na L2 Norte, quando voltava da Universidade de Brasília.

Nos dias 21, 27 e 28, os ‘Encontros Cine Bike’ vão reunir especialistas e usuários de bicicleta para debater sobre “Os avanços dos planos de mobilidade urbana no Brasil”, “A bicicleta como meio de locomoção e liberdade para pessoas com deficiência” e “Ruas e cidades humanizadas – Slowmovement”. Estarão reunidos representantes de entidades relevantes para a área, como a União dos Ciclistas do Brasil e a ONG Rodas da Paz, grande parceira do festival.

De 29 a 31 de julho, o Cine Bike promove a Mostra online, com exibição de 05 títulos selecionados da programação. Os filmes serão disponibilizados para acesso no site do evento, através da plataforma VIMEO no site do festival : www.cinebikebrasil.com.br. Cada título ficará acessível durante 24 horas. A intenção é ampliar ainda mais o alcance e a mensagem do festival. Estão no programa os longas A alma de um ciclista”, de Nuno Tavares (Portugal, 2021) e Bike vs Carros”, de Fredrikn Gertten (Suécia, 2015), e os curtas-metragens O porta-voz” (Austrália, 2013), “Todos os corpos na bike” (EUA, 2020) e “Explorando as ruas de Estocolmo” (Suécia, 2014).

E no dia 30 de julho, fechando a programação presencial do festival, ciclistas de todas as idades serão convidados a participar de um Passeio ciclístico, saindo ( 9h)  e retornando ao CCBB Brasília, cumprindo um total de cerca de 6 km de percurso. O passeio contará com o apoio do DETRAN e, ao final, os participantes serão convidados a permanecer no CCBB para uma grande festa junina.

Um festival que deseja atuar por um mundo mais solidário e cidadão, unindo o amor pelo cinema ao prazer de andar de bicicleta. Um espaço para o diálogo sobre o uso de energias renováveis e a utilização da bicicleta como alternativa saudável, limpa e econômica nas cidades brasileiras.

Cine Bike é uma produção da Objeto Sim Projetos Culturais, realização do Centro Cultural Banco do Brasil  e conta com o apoio do DETRAN-DF, Embaixadas da Itália, Países Baixos, França, Suécia e Portugal e da ONG Rodas da Paz.

PROGRAMAÇÃO

19/07 – TERÇA-FEIRA

TEATRO

19h30 – Abertura: O garoto e a bicicleta (27’, Ridley Scott, 1965). Livre + A alma de um ciclista (74’, Nuno Tavares, 2021). Livre

*Apresentação da sessão pelo curador Sérgio Moriconi, distribuição de cartazes colecionáveis. Intérprete de libras

20/07 – QUARTA-FEIRA

CINEMA

18h00 – Pânico na cidade (38’, Yann Le Quellec, 2014) + A volta em Minas (21’, Fernando Biagioni, 2021). Livre

20h00 – Bike vs Carros (91’, Fredrik Gertten, 2015). 12 anos

21/07 – QUINTA-FEIRA

CINEMA

18h00 – No rastro das cargueiras (71’, Carol Matias, 2020). 12 anos.

Sessão com a presença da diretora.

20h00 – O garoto da bicicleta (87’, Jean-Pierre Dardenne e Luc Dardenne, 2011). 14 anos

22/07 – SEXTA-FEIRA

CINEMA

18h00 – Ladrões de bicicleta (93’, Vittorio de Sica, 1948). 12 anos

20h00 – Velotopia (52’, Erik Fretel, 2012). 12 anos

23/07 – SÁBADO

ÁREA EXTERNA

9h30 às 12h00 – Atividades educativas realizadas pelo DETRAN-DF.

Intervenção artística com repentistas, mímicos, bonecos e apresentação teatral. Acesso Livre

10h00 às 12h00 – Oficina de mecânica básica. A oficina pretende ensinar como se virar no caso de um pequeno incidente com a bicicleta, como por exemplo trocar um pneu, remendar, ajustar a corrente, ajuste de freios, entre outros.

15h00 – Oficina “Pedalando com a Bike Anjo”. Atividade para ensinar crianças, jovens e adultos a andarem de bicicleta. Inscrições prévias.

ÁREA EXTERNA – TELA DE LED – VÃO CENTRAL DO CCBB

16h00 – Sessão infantil: Um, dois, árvore (7’, Yulia Aronova, 2014) + A bicicleta do elefante (9’, Olesya Shchukina, 2014) + Escola de Carteiros (15’, Jacques Tati, 1947) + Ciclo (2’15, Sophie Olga de Jong e Sytske Kok, 2019) Pedalando com Molly (1’46’, Sara Chia-Jewel, 2021) + Ernest e Célestine no inverno (48’, Julien Chheng e Jean-Christophe Roger). Livre

CINEMA

15h30 – Pedalar é suave, de Flora Gondim (26’30, Flora Gondim, 2018) + Lulu vai de bike (15’, Edson Fogaça, 2019)

*Sessão seguida de debate com Saulo Dal Pozzo (editor do filme Pedalar é suave), Edson Fogaça e Luiza Davison (protagonista do filme Lulu vai de bike)

17h00 – Meu segredo italiano (92’, Oren Jacoby, 2014). 12 anos.

ÁREA EXTERNA – TELÃO

18h30 – Porque pedalamos (60’, Gertjan Hulster e Arne Gielen, 2020). Livre

24/7 – DOMINGO

ÁREA EXTERNA

10h00 às 12h00 – Lançamento do livro infantil “Pedalar é suave”, uma iniciativa da ONG Rodas da Paz, escrito por Josi Paz, com a presença do ilustrador, Pedro Sangeon.

– Atividades educativas realizadas pelo DETRAN-DF.

Intervenção artística com repentistas, mímicos, bonecos e apresentação teatral. Acesso Livre

– 11h00 às 12h00 – Oficina “Como melhorar a sua bicicleta” com o ciclista e terapeuta Marcelo Ribeiro. Área externa do CCBB. Inscrições prévias.

15h00 – Oficina “Pedalando com a Bike Anjo”. Atividade para ensinar crianças, jovens e adultos a andarem de bicicleta. Inscrições prévias.

CINEMA

15h00 – Elo Perdido – o Brasil que pedala (30’, Renata Falzoni, 2019) + Explorando as ruas de Estocolmo (13’, Clarence Eckerson Jr., 2014). Livre

17h00 – A rainha bicicleta (52’, Laurent Védrine, 2013). Livre

ÁREA EXTERNA – TELÃO

18h30 – As bicicletas de Belleville (80’, Sylvain Chomet, 2004). 10 anos

26/07 TERÇA-FEIRA

CINEMA

18h00 – O Caminho das nuvens (85’, Vicente Amorim, 2003). 14 anos

20h00 – O Sonho de Wadjda (97’, Haifaa Al Mansour, 2012). 12 anos

27/07 QUARTA-FEIRA

CINEMA

18h00 – As pernas de Amsterdam (13’, Wytse Koetse, 2015) + A alma de um ciclista (74’, Nuno Tavares, 2021). Livre

20h00 – Carrossel da esperança (86’, Jacques Tati, 1949). Livre

28/07 QUINTA-FEIRA

CINEMA

18h00 – As bicicletas de Havana (6’, Ian Clark e Diego Vivanco, 2014) + Todos os corpos na bike (13’21’, Zeppelin Zeerip, 2020) + Mama Agatha (16’, Fado Hindash, 2015) + Pai e filha (8’, Michael Dudok de Wit, 2000). 10 anos

20h00 – A rainha bicicleta (52’, Laurent Védrine, 2013). Livre

29/07 – SEXTA-FEIRA

CINEMA

16h30 – Curtas clássicos: Os pivetes (18’, François Truffaut, 1957) + Escola de Carteiros (15’, Jacques Tati, 1947) + O garoto e a bicicleta (27’, Ridley Scott, 1965). 12 anos

18h00 – O porta-voz (13’, Dean Saffron, 2013) O homem que vivia em sua bicicleta (3’, Guillaume Blanchet, 2012) + Circulando pelo enquadramento (17’, Cynthia Beatt, 1988). 12 anos

20h00 – O quadro invisível (60’, Cynthia Beatt, 2009). 14 anos

30/07 – SÁBADO

ÁREA EXTERNA

09h00 – PASSEIO CICLÍSTICO – ENCERRAMENTO DA PROGRAMAÇÃO PRESENCIAL DO CINE BIKE – saindo e retornando ao CCBB Brasília. O passeio contará com o apoio do DETRAN.

ENCONTROS CINE BIKE

CINEMA

Dia 21/07

15h30 às 17h00 – “Os avanços dos planos de mobilidade urbana no Brasil”.

Com: Ana Luiza Carboni (União dos Ciclistas do Brasil), Joyce Ibiapina (Bike Anjo) e Cristina Rego de Queiroz (arquiteta e urbanista)

Dia 27/07

15h30 às 17h00 – “A bicicleta como meio de locomoção e liberdade para pessoas com deficiência”.

Com: Júlia Maia (ciclista), Cláudio Civati (representante paraciclismo no DF e de Hevelym de Freitas Pereira do (representante do DV na trilha). Encontro com intérprete de libras.

Dia 28/07

15h30 às 17h00- “Ruas e cidades humanizadas – Slowmovement”.

Com: Renata Aragão (Coordenadora Geral da ONG Rodas da Paz), Ana Júlia Pinheiro (Idealizadora da campanha “Paz no Trânsito” de Brasília), e representante da Secretaria de Mobilidade Urbana do DF.

MOSTRA DE FILMES ONLINE

De 29 a 31 de julho

SITE www.cinebikebrasil.com.br

*Cada filme ficará disponível para visualização por 24 horas.

29/7 – A alma de um ciclista (74’, Nuno Tavares, 2021)

30/7 – Bike vs Carros (91’, Fredrik Gertten, 2015)

31/7 – Sessão curtas: O porta-voz (13’, Dean Saffron, 2013) + Explorando as ruas de Estocolmo (13’, Clarence Eckerson Jr., 2014) + Todos os corpos na bike (13’21’, Zeppelin Zeerip, 2020)

SINOPSES

A ALMA DE UM CICLISTA

Doc, Portugal, 2021, 74min, Livre

Direção: Nuno Tavares

Sinopse: Através de um grupo de ciclistas “clássicos” e do seu interesse comum pela bicicleta clássica, vamos descobrir valores que estão se perdendo na sociedade moderna, como a importância da amizade, da ecologia, da valorização do antigo, da rejeição ao consumismo e de outras premissas importantes para atingir uma vida mais feliz, mais simples e mais preenchida com o que realmente importa. Neste documentário, as bicicletas nos transportam para a descoberta e reflexão de um outro estilo de vida, de novas relações pessoais, cheias de humanismo, antítese da sociedade “virtual” em que vivemos, muitas vezes feita apenas de aparências.

A RAINHA BICICLETA (LA REINE BICYCLETTE)

Doc, França, 2013, 52min, 14 anos

Direção: Laurent Védrine

Sinopse: Amplamente adotada pelos franceses no dia seguinte ao seu surgimento, no final do século 19, a bicicleta moderna é equipada com pneus, freios, pedais e corrente. Inicialmente uma atividade de lazer para os ricos, rapidamente se democratizou graças à segunda revolução industrial, que a tornou um produto acessível para as classes populares. A bicicleta virou sinônimo de revolução social. Em 1903, a criação do Tour de France transformou o ciclismo em esporte profissional muito popular, o que permitiu a jovens proletários fazerem carreira. O período pós-guerra marcou um declínio acentuado do ciclismo, em virtude da preferência dos franceses pelo automóvel. O carro para todos se transformou num dos credos dos “Trente Glorieuses”. Foi somente em maio de 1968 e com o nascimento da ecologia que a bicicleta experimentou um retorno. O filme apresenta a história social e política da relação dos franceses com a bicicleta, de 1890 aos dias atuais, entre a modernidade, as lutas sociais e a ecologia política.

A VOLTA EM MINAS

Doc, Brasil, 2021, 21min, Livre

Direção: Fernando Biagioni

Com: Fernando Biagioni

Sinopse: A turma do site Bikepacking Brasil (Fernando e Marcelo) embarcou em fevereiro de 2021 em uma viagem de bicicleta através de Minas Gerais. Do extremo norte ao extremo sul do estado, os dois percorreram quase 1500km em 14 dias. O filme apresenta um registro lindo dessa aventura, que emociona quem ama andar em duas rodas. Atravessar Minas Gerais de bicicleta era um sonho antigo que Fernando compartilhava com seu amigo Marcelo. Constantemente conversavam sobre as possibilidades de abrir o que chamava de “nosso quintal” e fazer um filme. Fernando comprou um mapa do estado, pendurou-o na sua sala de estar e, olhando para ele todos os dias, imaginou perspectivas, cenários, pesquisou regiões, características geográficas, terreno, clima e iniciou sua jornada ao lado do amigo Marcelo.

A BICICLETA DO ELEFANTE (THE ELEPHANT AND THE BICYCLE)

Animação, Bélgica/França, 2014, 9min, Livre

Direção: Olesya Shchukina

Sinopse: Um elefante vive na cidade entre pessoas normais e trabalha como varredor. Um dia, ele vê um enorme quadro de avisos que anuncia uma bicicleta que parece ser perfeita para seu tamanho. A partir deste minuto, a vida do elefante muda: ele quer ter a todo o custo aquela bicicleta! Mas quando tudo fazia parecer que ele finalmente iria realizar o seu sonho, o destino lhe prega uma peça. Essa linda animação ajuda as pessoas a verem que muitos indivíduos fazem coisas para outras, e essas pessoas são generosas e solidárias.

AS BICICLETAS DE BELLEVILLE (LES TRIPLETTES DE BELLEVILLE)

Animação, França, 2004, 80min, 10 anos

Direção: Sylvain Chomet

Sinopse: Champion (Michel Robin) é um menino solitário, que só sente alegria quando está em cima de uma bicicleta. Percebendo a aptidão do garoto, sua avó começa a incentivar seu treinamento, para fazê-lo um verdadeiro campeão e poder participar da Volta da França (Tour de France), principal competição ciclística do país. Porém, durante a disputa, Champion é sequestrado. Sua avó e seu cachorro Bruno partem então em sua busca, indo parar em uma megalópole localizada além do oceano, chamada Belleville. O filme tem um humor muito particular, elegante, de gags inventivas, de pouco ou nenhum diálogo, mas sempre muito crítico. Um humor ala Monsieur Hulot, a criação mais célebre do francês Jacques Tati.

AS BICICLETAS DE HAVANA (HAVANA BIKES)

Cuba, 2014, 6min, 10 anos

Direção: Ian Clark e Diego Vivanco

Sinopse: Os mecânicos de bicicleta da capital cubana têm ajudado a manter viva a cultura da bicicleta, apesar da dificuldade de encontrar as peças necessárias, permitindo que milhares de cidadãos usem diariamente esse meio de transporte. E mais: a situação provoca invenções próprias, como os ônibus-bicicleta, caminhões-bicicleta e táxi-bicicleta que fazem parte do transporte público da cidade e têm se convertido num símbolo da capital cubana. Um “mecânico de bicicletas” de Havana chega a consertar, em apenas em um dia, até 50 bicicletas. O filme rendeu aos diretores o Prêmio do Júri na quarta edição do Bike Short Film Festival.

AS PERNAS DE AMSTERDAM (DE BENEN VAN AMSTERDAM)

Doc, Holanda, 2015, 13min, 10 anos

Direção: Wytse Koetse

Sinopse: Retrato dos reparadores de bicicletas mais autênticos de Amsterdã. No ritmo acelerado do dia a dia da capital holandesa, Frans van der Meer dirige sua loja de bicicletas de 90 anos como um dos reparadores de bicicletas mais legítimos da cidade. Frans não apenas conhece seu ofício, mas também abriga um pedaço da velha Amsterdã, onde a cidade é como uma vila, onde os vizinhos são como uma família e as bicicletas são como pernas. O filme foi vencedor do Goldene Kurbel no Festival Internacional de Cinema de Ciclismo em 2015, muito em função da variedade de cenas de trabalho que ele captura, como também da visão que dá do conhecido “bairro de ciclismo” de Amsterdã.

BIKES VS CARROS

Doc, Suécia, 2015, 91min, 12 anos

Duração: Fredrik Gertten

Sinopse: Em tempos de uma crise generalizada, é necessário relacionar algumas discussões no que tange ao clima, recursos naturais e cidades. A indústria automobilística cresce desenfreadamente. Ciclistas militantes buscam mudanças radicais na mobilidade das grandes cidades. As diferenças do uso de bicicletas e de carros são gritantes na comparação entre algumas cidades, como São Paulo e Copenhague. Os carros atropelam pedestres e ciclistas em todos as partes do globo todos os dias, poluem o meio ambiente, provocam doenças respiratórias, principalmente em crianças e idosos, contribuem para o aquecimento do planeta — para ficar apenas nessa meia dúzia de problemas graves — e ainda assim continua havendo todo um sistema que os apoia e que impulsiona o crescimento desenfreado deles até o dia em que tudo entrará em colapso.

CARROSSEL DA ESPERANÇA (JOUR DE FÊTE)

Comédia, França, 1949, 86min, Livre

Direção: Jacques Tati

Sinopse: Em uma aldeia da França, um cinema é instalado. Um filme norte-americano sobre o serviço postal do país está passando. François, o antiquado carteiro do lugar, se esforça em aprender com os americanos como modernizar o serviço postal de sua cidade. François (Jacques Tati) é sabidamente um carteiro francês distraído e frequentemente interrompe suas tarefas para conversar com os habitantes da pequena cidade onde vive. Ele observa atenciosamente Marcel (Paul Frankeur) e Roger (Guy Decomble) montarem sua feira. Nos dias que se seguem à projeção do filme, François inicia uma nova jornada em sua bicicleta.

CICLO (CYCLE)

Animação, Holanda, 2019, 2min15seg, Livre

Direção: Sophie Olga de Jong e Sytske Kok

Sinopse: Uma pequena história contada como se fosse um ciclo em espiral sobre uma menina que aprende a andar de bicicleta com seu avô e descobre que é onde a estrada termina que começa a verdadeira aventura. Este delicado e extraordinário pequeno filme participou de alguns dos principais festivais mundiais do gênero, entre eles, Nederlands Film Festival, ChildrenFilm Festival Seattle, Anima Brussels, Anima Mundi, Cinanima (Portugal/Espanha).

CIRCULANDO PELO ENQUADRAMENTO (CYCLING THE FRAME)

Doc/Ensaio, Alemanha, 1988, 17min, 12 anos

Direção: Cynthia Beatt

Elenco: Tilda Swinton

Sinopse: Em 1988, a atriz Tilda Swinton percorreu o Muro de Berlim de bicicleta, acompanhada pela cineasta Cynthia Beatt. Começando e terminando no Portão de Brandemburgo, ela nos leva a uma jornada ao mesmo tempo idílica, surreal, caprichosa e deprimente. Enquanto viaja por campos e bairros históricos, o Muro é uma presença constante na paisagem. Mas Swinton não é uma turista passiva. Ela provocativamente tira uma Polaroid de uma torre de guarda da Alemanha Oriental e acena a foto para os guardas, faz uma pausa para colher ervas finas sob os olhos de outra torre e recita poesia. “Cycling the frame” é um documento histórico fascinante, sobretudo quando pensamos que o Muro – aparentemente tão sólido e permanente – seria rompido apenas um ano depois e desapareceria.

ELO PERDIDO – O BRASIL QUE PEDALA

Doc, Brasil, 2019, 30min, Livre

Direção: Renata Falzoni

Sinopse: Em um Brasil cada vez mais motorizado, onde carros e motos são tidos como prioridade nas ruas, milhares de brasileiros permanecem dando preferência à utilização de bicicletas como principal meio de locomoção. Mais do que uma simples escolha, a alternativa reflete um momento peculiar do país, além de levantar reflexões a respeito da crescente industrialização. Aproveitando o tema atualíssimo da mobilidade, o novo documentário de Renata Falzoni vem a calhar. Falzoni é uma das primeiras mulheres a se dedicar ao jornalismo esportivo, fotógrafa, videorrepórter, bike repórter, cicloativista e também uma das pioneiras na valorização do uso da bicicleta no Brasil.

ESCOLA DE CARTEIROS

Ficção, França, 1947, 15min, Livre

Direção: Jacques Tati

Sinopse: Em 1943, Jacques Tati refugia-se numa aldeia no centro da França. Tornando-se próximo desta extraordinária comunidade, decide fazer seus primeiros filmes ali. “Escola de Carteiros” e “Há Festa na Aldeia” (Carrossel da Esperança) têm a mesma personagem do carteiro acrobático que sonha fazer a sua distribuição mais rápida do que os carteiros americanos. Dono de um senso de tempo e espaço aguçado, Tati concebia com precisão geométrica seus cenários em tom bem-humorado, ironizando certos absurdos sociais impostos em nome da modernidade. No curta “Escola de Carteiros”, primeiro filme que dirigiu (1947), o atrapalhado carteiro tenta fazer seu trabalho da maneira mais eficiente possível, apesar de sua “bicicleta rebelde”.

EXPLORANDO AS RUAS DE ESTOCOLMO (EXPLORING THE STREETS OF STOCKHOLM)

Doc, Suécia, 2014, 13 min, Livre

Direção: Clarence Eckerson Jr.

Sinopse: O filme mostra Estocolmo como uma cidade para pessoas e as ações voltadas para o transporte ativo: caminhadas e bicicletas. Também aborda a política para zerar os acidentes com mortes, a chamada “vision zero”.

LADRÕES DE BICICLETA

Drama, Itália, 1948, 93min, 12 anos

Direção: Vittorio de Sica

Sinopse: Desempregado, Antonio Ricci (Lamberto Maggiorani) está eufórico quando finalmente encontra trabalho colocando cartazes pela cidade de Roma, destruída pela guerra. Sua esposa Maria (LianellaCarell) vende os lençóis da família para resgatar a bicicleta de Antonio da loja de penhor, para que ele possa aceitar o trabalho. Porém, o desastre ataca, quando a bicicleta de Antonio é roubada. O filme se passa na Itália durante o período pós-guerra, sendo um dos exemplos do neorrealismo italiano. Foi um dos primeiros longas-metragens a vencer o Oscar de melhor filme estrangeiro.

LULU VAI DE BIKE

Docudrama, Brasil, 2019, 15min, 12 anos

Direção: Edson Fogaça

Sinopse: É o aniversário de Lulu e ela tem um compromisso no outro lado da cidade. Seus avós querem buscá-la de carro, mas ela prefere ir de bicicleta! No caminho, ela encontra amigos e conhece pessoas, o que a faz chegar atrasada ao evento. Lulu é Luisa Davidson, filha do biólogo Pedro Davison, que morreu atropelado aos 25 anos, enquanto pedalava em Brasília, em 19 de agosto de 2006. Em homenagem a Pedro foi aprovada a Lei 13.508/2017, que celebra o Dia Nacional do Ciclista. Em 15 minutos, o filme mostra Lulu fazendo um trajeto em Brasília numa bicicleta de aluguel com destino à celebração da passagem do pai e do aniversário dela. O local escolhido é o mesmo Eixão Sul, local do atropelamento. Ela reúne-se com amigos e família para depositar flores junto à Ghost Bike que foi colocada no local como forma de lembrar a tragédia.

MAMA AGATHA

Doc, Holanda/Jordânia, 2015, 16min, Livre

Direção: Fado Hindash

Sinopse: Agartha Frimpong, apelidada de Mama Agatha, é uma ganense de 59 anos que dirige um programa de treinamento em bicicleta para mulheres migrantes e refugiadas no sul de Amsterdã. Uma ‘mãe comunitária’ com uma personalidade grandiosa, ela ensina a um grupo de mulheres do Paquistão, Marrocos, Somália, China e outros lugares uma das habilidades holandesas mais básicas: andar de bicicleta. O curso de verão da Mama Agatha termina com uma colorida cerimônia de formatura, onde as mulheres migrantes recebem seus diplomas e saem para as ruas de Amsterdã em suas bicicletas novas. Premiado em diversos festivais, este pequeno documentário acompanha Mama Agatha e seus alunos, ao longo de 12 semanas, em sua jornada desde os primeiros passos com a bicicleta até a formatura.

MEU SEGREDO ITALIANO (MY ITALIAN SECRET: GLI EROI DIMENTICATI)

Doc, Itália, 2014, 92min, 12 anos

Direção: Oren Jacoby

Elenco: Isabella Rossellini

Sinopse: Um fato heroico que ficou quase perdido na história, até agora. O filme narra como o ídolo ciclista da segunda guerra mundial Gino Bartali, o médico Giovanni Borromeo e outros italianos trabalharam com líderes judeus e altos funcionários da Igreja Católica, arriscando suas vidas ao desafiar os nazistas para salvar milhares de judeus da Itália. As lembranças na primeira pessoa dos sobreviventes ainda gratos, vários dos quais já faleceram, são lembretes comoventes de que a coragem e a graça podem prosperar mesmo nas circunstâncias mais sombrias.

NO RASTRO DAS CARGUEIRAS

Doc, Brasil, 2020, 71min, 12 anos

Direção: Carol Matias

Sinopse: Dona Caçula atravessa a cidade equilibrando metais e plásticos em cima de sua bicicleta cargueira. O filme apresenta as técnicas, as paisagens e as histórias do grupo de catadores-ciclistas no contrafluxo do consumo urbano em Brasília. A lata de refrigerante vazia pode ser só lixo na visão de quem a descarta, mas, para os catadores, é a matéria-prima de sua sobrevivência, diante do desemprego, desalento econômico e dificuldades sociais, sobretudo neste período de incertezas trazido pela pandemia do Coronavírus. É sobre isso (e muito mais) que trata a produção brasiliense “No Rastro das Cargueiras”.

O CAMINHO DAS NUVENS

Drama, Brasil, 2003, 85min, 14 anos

Direção Vicente Amorim

Elenco: Claudia Abreu, Wagner Moura, Carol Castro

Sinopse: Romão (Wagner Moura) é um caminhoneiro que está desempregado. Precisando sustentar sua mulher Rose (Cláudia Abreu) e seus cinco filhos, ele decide partir em busca de um local onde possa conseguir o sonhado emprego que lhe pagará o salário de R$ 1.000,00. Romão e sua família partem então numa jornada de 3.200 km, saindo de Santa Rita, na Paraíba, até o Rio de Janeiro de bicicleta. Na viagem, os sete enfrentam a fome e a sede, a falta de dinheiro, de condições de viajar, de coragem de continuar. Algumas cenas são marcantes, como o empenho de Rose e seu filho do meio em descolar alguns trocados cantando Como é grande meu amor por você, de Roberto Carlos.

O GAROTO DA BICICLETA (LE GAMIN AU VÉLO)

Drama, Bélgica, 2011, 87min, 14 anos

Direção: Jean-Pierre Dardenne e Luc Dardenne

Elenco: Cécile de France, Thomas Doret, Jérémie Renier

Sinopse: Cyril, um garoto de onze anos, foi deixado em um orfanato, algo que seria temporário, e prepara-se para encontrar o seu pai que o deixou lá. Ele não quer acreditar que seu pai o deixou, mudou do apartamento onde viviam e vendeu até mesmo sua bicicleta. Por acaso ele conhece a cabeleireira Samantha, que compra a sua bicicleta de volta e a devolve a Cyril. A pedido do menino, ela permite que ele viva com ela nos finais de semana. Juntos, Samantha e Cyril encontram o pai do garoto, mas ele não quer mais ver o menino e pede que Samantha o adote.

O GAROTO E A BICICLETA (BOY AND BICYCLE)

Ficção, Reino Unido, 1965, 27min, Livre

Direção: Ridley Scott

Elenco: Tony Scott

Sinopse: As aventuras de um estudante andando vadiamente de bicicleta pela cidade inglesa de Hartlepool, no condado nordeste de Cleveland. “Boy and Bicycle” foi a primeira incursão de Ridley Scott no cinema, feita inicialmente com baixíssimo orçamento e com equipamento emprestado pelo Royal College of Art de Londres, onde ele era estudante. O filme foi concluído em 1965. Utilizando-se do próprio quarto de adolescente de Scott, “O Garoto e a Bicicleta” começa com a câmera representando o ponto de vista do menino, interpretado pelo irmão mais novo de Scott, Tony, que também se tornaria um cineasta. Em seguida, o filme segue o menino quando ele decide faltar às aulas e visitar vários locais ao redor da cidade litorânea em sua bicicleta. O tempo todo ouvimos os pensamentos da personagem em um fluxo de voz da consciência que Scott disse ter sido parcialmente inspirado pela leitura de “Ulysses” de James Joyce.

O HOMEM QUE VIVEU EM SUA BICICLETA (THE MAN WHO LIVED ON HIS BIKE)

Canadá, 2012, 3min, 12 anos

Direção: Guillaume Blanchet

Sinopse: Você já parou para pensar em quantas coisas conseguimos fazer ao mesmo tempo? Guillaume Blanchet, um publicitário francês que vive no Canadá, já. Tanto que resolveu gravar um filme mostrando o cotidiano de uma pessoa que faz as refeições, trabalha e até namora enquanto anda de bicicleta por Montreal. Para gravar todas as cenas, Blanchet passou boa parte de 382 dias sobre duas rodas. Segundo o francês, sua inspiração foi seu pai, Yves, de 64 anos, que já pedalou 120 mil quilômetros durante sua vida. Depois de dias pedalando nas ruas de Montreal, no frio ou no sol, Guillaume decidiu, obviamente, dedicar o filme a seu pai.

O PORTA-VOZ (THE SPOKESMAN)

Doc, Austrália, 2013, 13min, 12 anos

Direção: Dean Saffron

Sinopse: Eu simplesmente – diz o diretor – tive que fazer este vídeo depois de conhecer “James”, um homem enigmático que se encarregou de coletar uma bicicleta de cada época para as gerações futuras desfrutarem, uma espécie de cápsula do tempo se você preferir! James mora em uma velha casa de madeira que pode ser descrita como um museu vivo para bicicletas. O diretor constrói cuidadosamente sua narrativa, muitas vezes levando minutos para refletir sobre o que deseja transmitir. “Foi acachapante caminhar dentro desse tesouro vendo bicicletas do chão ao teto”, diz Saffron.

O QUADRO INVISÍVEL (THE INVISIBLE FRAME)

Doc/Ensaio, Alemanha, 2009, 60min, 14 anos

Direção: Cynthia Beatt

Elenco: Tilda Swinton

Sinopse: Em 1988, a realizadora Cynthia Beatt e a atriz Tilda Swinton embarcaram numa viagem fílmica ao longo do Muro de Berlim para criar o curta-metragem “Cycling The Frame”. O filme consistia num passeio metafísico de bicicleta, partindo do Portão de Brandemburgo, passando pelos subúrbios, lagos, campos e postos de controle. Beatt e Swinton observavam a insólita e opressiva estrutura de concreto que cercava Berlim Ocidental, cortando bairros e prédios, parecendo indestrutíveis na época. Um ano após as filmagens, o Muro foi aberto e o processo de reunificação da Alemanha começou. Mais de 20 anos depois, em 2009, Beatt e Swinton voltaram a se reunir e refizeram sua jornada, mas desta vez circulando pelos dois lados do muro destruído. “The Invisible Frame” retrata esta passagem poética e faz uma reflexão sobre história, memória e liberdade.

O SONHO DE WADJDA (WADJDA)

Drama, Alemanha/Arábia Saudita, 2012, 97min, 12 anos

Direção: Haifaa Al Mansour

Sinopse: Wadjda tem dez anos de idade e mora no subúrbio de Riade, a capital da Arábia Saudita. Ela é uma garota teimosa e cheia de vida, que gosta de brincar com os garotos. Um dia, após uma disputa com o amigo Abdullah, ela vê uma bela bicicleta verde à venda. Wadjda gostaria de comprar a bicicleta, para superar o colega em uma corrida, mas na sociedade conservadora onde ela vive, garotas não podem dirigir carros ou bicicletas. Ela decide então fazer de tudo para conseguir o dinheiro sozinha.

OS PIVETES (LES MISTONS)

Ficção, França, 1957, 18min, 12 anos

Direção: François Truffaut

Elenco: Gérard Blain, Bernardette Lafont, Michel François

Narração: Michel François

Sinopse: Cinco meninos na pré-puberdade são coletivamente atraídos por uma bela e jovem Bernadette Jouve. Ela desperta neles, uma sensualidade que não existia, e como eles são jovens demais para amá-la, eles decidem odiá-la e atormentá-la. Onde quer que Bernadette e seu namorado Gerard apareçam, os cinco meninos estão lá, perturbando-os. Eles também começam a desenhar corações perfurados por flechas com os nomes dos dois amantes em todos os lugares, mas Gerard e Bernadette mal percebem. As falhas dos meninos os tornam mais agressivos. Um dia em agosto, Gerard se despede de Bernadette. Ele ficará ausente por três meses. Quando voltar, espera que os sinos do casamento toquem para eles. Quando as férias dos cinco meninos estão terminando, eles recorrem a uma molecagem cruel: compram um cartão postal mostrando dois amantes malvestidos esparramados em uma cama. No cartão, escrevem palavrões sobre Gerard e Bernadette e assinam como The Brats, antes de enviá-lo para Bernadette. Alguns dias depois, eles leem no jornal uma notícia terrível.

PAI E FILHA

Animação, Holanda/Reino Unido, 2000, 9min, Livre

De Michael Dudok de Wit

Sinopse: Um pai se despede da filha e vai embora. Ela espera seu retorno por dias, estações, anos… Para nós é interessante saber que Michael Dudok de Wit é um cineasta de animação holandês, nascido em Abcoude em 1953, considerado uma referência do gênero. Trabalhou na Disney, como roteirista, em “A Bela e a Fera”, em 1991, antes de dirigir o filme que o tornaria reconhecido no pequeno mundo da animação: “O Monge e o Peixe” (1994). Foi também ele quem dirigiu “The Red Turtle”. Ao lado dessa atividade criativa, ele coloca seu talento a serviço da comunicação e dirige diversos anúncios, entre eles um da American Airlines, premiado em Annecy em 2005. Mas sua curta obra-prima é sem dúvida “Pai e Filha”, essa joia sem palavras também premiada em Annecy e ganhadora do Oscar de melhor curta de animação de 2000. Um filme simplesmente lindo.

PÂNICO SOBRE A CIDADE (LA QUEPA SUR LA VILNI!)

Ficção, França, 2014, 38min, Livre

Direção: Yann Le Quellec

Elenco:  Bernard MénezChristopheBernard Hinault

Sinopse: No dia em que André conquista sua tranquila aposentadoria, o prefeito da sua cidade diz que ele deve conduzir pelas montanhas uma trupe de “homens-sanduíche”, todos montados em bicicletas. A ideia é atrair espectadores para a inauguração do cinema local! Apesar de sua determinação, o ex-carteiro tem dificuldade em domar seus jovens e impetuosos companheiros de equipe. O filme tem como base comum o cinema meio nonsese de Jacques Tati e ainda navega nos mares singulares da estética de Luc Moullet. Entre a cinefilia e a ruralidade, Le Quellec demonstra sobretudo fantasia e poesia, filmando um pelotão errático e indisciplinado num majestoso cenário de montanha.

PEDALANDO COM MOLLY (CYCLING WITH MOLLY)

Reino Unido, Animação, 2021, 1’46’’, Livre

Direção: Sara Chia-Jewel

Sinopse: Um filme inspirador para todos aqueles que querem aprender a andar de bicicleta, especialmente para aqueles que iniciaram essa experiência já adultos. A bicicleta como algo que proporciona a sensação de liberdade e fantasia. Mas… nunca esqueça o seu capacete!

PEDALAR É SUAVE

Doc, Brasil, 2018, 26’30, 12 anos

Direção: Flora Gondim

Sinopse: A trajetória de RAUL ARAGÃO ROCHA, ciclista e ativista pernambucano que foi morto em Brasília, enquanto pedalava em via urbana em um sábado à tarde, vítima de violência no trânsito aos 23 anos. Estudante de Sociologia da Universidade de Brasília, Raul acreditava que carros, bicicletas, ônibus, pedestres e demais modais poderiam conviver em harmonia e com esse objetivo trabalhava pela promoção da BICICLETA e educação de ciclistas. O trânsito de Brasília e os tratamentos, policiais e jurídicos, dados a crimes de trânsito no Brasil são debatidos enquanto as histórias de Raul, Pedro Davison e de outros ciclistas são contadas por familiares, amigos, representantes do DETRAN e de Organizações não Governamentais.

PORQUE PEDALAMOS (WHY WE CYCLE)

Doc, Holanda, 2020, 110min, Livre

Direção:  Gertjan HulsterArne Gielen

Sinopse: Para os holandeses andar de bicicleta é tão normal quanto respirar. É um fenômeno natural. Mas nem sempre foi assim. Até a década de 1970, o desenvolvimento da mobilidade urbana na Holanda parecia seguir as tendências em todo o mundo. O futuro pertencia ao carro. No entanto, a sociedade holandesa optou por tomar um rumo diferente e a bicicleta passou a ser um símbolo do País. Mas quais são as necessidades mais profundas dos ciclistas? No documentário “Porque pedalamos” o diretor promove um passeio com ciclistas comuns e especialistas de diversas disciplinas. As conversas revelam os efeitos do ciclismo nas pessoas, na sociedade e na organização das cidades. Participantes contam a história da estrada acidentada que conduziu ao estado atual, onde o ciclismo é uma escolha óbvia para a maioria dos cidadãos.

TODOS OS CORPOS NA BIKES (ALL BODIES ON BIKES)

EUA, 13min22seg, Livre

Direção: Zeppelin Zeerip

Produção: Shimano

Sinopse: O filme segue as jovens Kornhauser e Blonsky em uma viagem de bicicleta de dois dias pela Corvallis até Coast Trail, uma rota de 65 milhas pela exuberante e pitoresca Oregon Coast Range, nos EUA. Ao longo do caminho, elas têm discussões acaloradas, muitas vezes pungentes, sobre a obsessão da sociedade com o peso, e como foi para elas crescer gordas e com problemas de alimentação desordenada. Elas também se divertem muito no passeio, percorrendo trilhas de fluxo ladeadas por samambaias enormes, encarando subidas íngremes em meio a pinheiros altos e conversando sentadas ao lado da lareira quando o dia termina.

UM, DOIS, ÁRVORE (ONE, TWO, TREE)

Animação, França, 2014, 6min52seg, Livre

Direção: Yulia Aronova

Sinopse: É a deliciosa história de uma árvore, uma árvore como qualquer outra. Um belo dia, ele calça as botas e sai para passear, convidando todos que encontra para segui-lo: a rotina diária se transforma em uma farândola alegre. A Farândola é uma dança de origem provençal em que os pares, segurando-se pelas mãos, formam extensa fila que se movimenta de maneira agitada.

VELOTOPIA

Doc/Comédia, França, 2012, 52min, 12 anos

Direção: Erik Fretel

Sinopse: O fim do mundo está próximo: crises de matérias-primas, crises financeiras, políticas e sociais. Mas a solução está diante dos nossos olhos!!! Divertido, glamoroso, sexy: a bicicleta, uma fonte de felicidade para salvar a humanidade!!!! Uma docu-comédia sobre os benefícios da bicicleta como meio de transporte, para devolver seu título de nobreza à pequena rainha. Altamente recomendado para usuários de 4×4.

_________________________________________________________________

FICHA TÉCNICA

CINE BIKE – FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA E MOBILIDADE URBANA

Patrocínio: Banco do Brasil

Realização: Centro Cultural Banco do Brasil

Produção: Objeto Sim Projetos Culturais

Coordenação geral: Gioconda Caputo e Carmem Moretzsohn

Coordenação de produção: Amanda Ayub

Curadoria: Sérgio Moriconi

www.cinebikebrasil.com.br

SERVIÇO

Local: Centro Cultural Banco do Brasil Brasília – cinema e área externa

Data: 19 a 31 de julho de 2022

Horários: ver programação

Entrada franca mediante reserva. Ingressos e informações no site:

https://ccbb.com.br/brasilia/programacao/cinebike/

­

Sobre paulobsbdetodos

Também confira

Terceira e última etapa do Educação e Cultura abre inscrições para oficina de dança afro

A formação acontece no Iesb Ceilândia e culminará na apresentação  Registro Educação e Cultura. Foto: …