Início / Cultura / Ensino técnico é o ponto mais forte da educação brasileira, afirma 1 em cada 3 empresários

Ensino técnico é o ponto mais forte da educação brasileira, afirma 1 em cada 3 empresários

Ingresso mais rápido no mercado de trabalho e formação alinhada às necessidades do setor produtivo estão entre as principais vantagens desse tipo de formação, segundo os entrevistados
Destaques da pesquisa com empresários industriais– 1/3 coloca o ensino técnico como o ponto mais forte na educação pública no Brasil, na frente do ensino superior (23%), ensino fundamental (12%), especialização/pós-graduação (10%), ensino médio (10%), alfabetização e creches (6% cada); – 9 em cada 10 concordam que os cursos técnicos permitem ingresso mais rápido no mercado de trabalho; – 1 a cada 3 empresários acreditam que a falta de interesse pessoal é o principal obstáculo para os jovens cursarem o ensino técnico; – 21% afirmam que o ensino técnico deve ser a prioridade na agenda educacional do governo; – 83% acreditam que a responsabilidade pela formação dos trabalhadores é do estado junto à inciativa privada; – 75% concordam que os cursos técnicos são mais ligados às necessidades do mercado do que os de ensino superior. 
Destaque do sistema educacional brasileiro pela qualidade e aproximação com o mercado de trabalho, o ensino técnico deve receber mais atenção dos jovens e ser uma das prioridades do governo, na opinião dos empresários industriais. 
Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e o Serviço Social da Indústria (SESI) ouviram 1.001 executivos de pequenas, médias e grandes indústrias sobre a educação no país. O questionário, aplicado em abril, teve um bloco dedicado ao ensino técnico e à qualificação de mão de obra. 
“O Brasil e os empresários brasileiros têm um grande desafio, a baixa produtividade, que ganha camadas de complexidade se somarmos alguns fatores que caracterizam o nosso mercado de trabalho: a transição demográfica, com menos jovens compondo a força de trabalho, as altas taxas de desemprego desse grupo, o baixo nível de qualificação profissional e a digitalização, que demanda novos conhecimentos”, avalia o diretor do SESI e do SENAI Rafael Lucchesi.
>> Acesse a apresentação com os resultados da pesquisa de educação com empresários industriais
Segundo Lucchesi, é nesse contexto que o ensino técnico ganha relevância. “Além de melhorar a empregabilidade do jovem, tirando-o do quadro de exclusão social e proporcionando uma fonte de renda, a educação profissional contribui para melhorar a produtividade do país, ao qualificar o trabalhador”. 
Com melhor avaliação de qualidade, ensino técnico é atributo da educação brasileira 
Entre as etapas de formação, o ensino técnico, também conhecido como profissionalizante, aparece com a melhor avaliação (55% acham ótimo ou bom e 9% ruim ou péssimo), seguido pela especialização/pós-graduação (54% ótimo ou bom e 9% ruim ou péssimo). Por outro lado, o ensino médio (14% bom e 39% ruim ou péssimo) e a alfabetização (21% ótimo ou bom e 38% ruim ou péssimo) ficam na lanterna. 
Vale lembrar que pesquisa semelhante foi realizada com a população, em dezembro do ano passado, e os empregadores são mais críticos que a sociedade: 45% dos empresários avaliam a educação no país como ruim (26%) ou péssima (19%) e só 9% como boa. Entre a população, os índices eram: 23% de ruim (9%) ou péssima (14%), 22% como boa e 8% ótima. 
>> Confira os resultados da pesquisa com a população sobre a educação no país
Outra prova de que a educação profissional alcançou o reconhecimento de lideranças é que 1/3 dos entrevistados o colocam como o ponto mais forte na educação pública no Brasil. Em seguida aparecem ensino superior, como escolha de 23%, e ensino fundamental, com 12%. Na lista de pontos fracos da rede pública, lideram o ensino fundamental (citado por 36% como o nível mais fraco), o ensino médio (29%) e a alfabetização (19%).  
Na visão dos empresários, os pontos positivos da formação técnica são: preparar melhor para o mercado de trabalho (45%), cursos mais focados (28%), cursos mais práticos (22%), boa aceitação no mercado de trabalho (18%), ter mais conhecimento/habilidades (17) e começo na carreira profissional (16%). 
Ainda, 9 em cada 10 concordam que os cursos técnicos permitem ingresso mais rápido no mercado de trabalho e que é mais fácil conseguir um emprego com formação profissional. Para 85%, os cursos técnicos permitem concorrer a uma oferta maior de vagas de emprego. Na comparação com o ensino superior, para 63% o curso técnico dá grande vantagem para se conseguir o primeiro emprego; e, para 75%, são cursos mais ligados às necessidades do mercado. 
Participação do poder público e prioridades para o governo  
Questionados sobre os obstáculos para os jovens se engajarem no ensino técnico, os entrevistados apontam falta de interesse pessoal (34%), falta de incentivos (25%), falta de informação (22%) e falta de vagas (15%). Se pudessem recomendar uma formação técnica para um jovem, 30% indicariam na área de Tecnologia da Informação (TI), 10% na mecânica, 9% eletricista, 8% em administração, 5% automação industrial e 4% mecatrônica. 
Essas áreas e ocupações não aparecem por acaso. Olhando para as inovações tecnológicas que estão impactando as cadeias e processos produtivos, 7 de cada 10 empresários (68%) afirmam, em pergunta espontânea, que as atividades mais promissoras para os jovens no Brasil nos próximos 10 anos são de TI, áreas da saúde (11%), engenharias (10%), automação industrial (5%) e agronomia (4%). 
É diante do desafio de conciliar as demandas do setor produtivo com as políticas para a juventude que ⅕ dos empresários (21%) colocam o ensino técnico como prioridade na pauta educacional do governo para os próximos anos, ficando atrás apenas do ensino fundamental (33%) e na frente da alfabetização (18%) e do ensino médio (17%). 
Hoje, em uma escala de 0 a 10, os empresários dão nota 4,5 para o incentivo do poder público ao desenvolvimento do ensino técnico no país. Para 46% das pessoas ouvidas, a qualificação dos trabalhadores é mais responsabilidade do estado que da iniciativa privada; para 28%, essa ação deve ser compartilhada igualmente; e 9% defendem que é mais da iniciativa privada que do estado. Só 13% acreditam que é exclusivamente do estado e 2% exclusivamente do setor privado. 
Matrículas na educação profissional crescem em ritmo lento, distante da meta do PNE 
É só olhar os dados de matrícula para entender o tamanho do desafio e o potencial para expandir a educação profissional, especialmente entre os jovens que buscam o primeiro emprego. No Brasil, apenas 9% dos alunos do ensino médio fazem um curso técnico ou de qualificação. Na União Europeia, esse percentual é de 43%; no Chile, 29%; e, Colômbia, 24% (Education at a Glance 2021/OCDE).  
Ainda que muitos optem pela formação após o ensino médio, o avanço das matrículas no geral tem sido lento: entre 2017 e 2022, foi de 1,8 milhão para 2,1 milhões, ou 17,5%. A meta prevista no Plano Nacional de Educação (PNE) 2014-2024 era de 4,8 milhões de matriculados para o ano que vem. Junte-se a isso o fato de que só 23,8% dos brasileiros de 18 a 24 anos estão no ensino superior, segundo o Anuário Brasileiro da Educação Básica 2021.  
“A última etapa do ensino obrigatório virou uma rua sem saída para milhares de estudantes. A baixa qualificação nessa fase tão determinante para a trajetória profissional tem reflexos na inserção e permanência no mercado de trabalho, ou seja, não só na identidade social e na renda desse jovem, como também na produtividade das empresas”, alerta o diretor do SESI/SENAI.
>> Acesse o pacote de imagens de cobertura e a entrevista do diretor do SESI/SENAI Rafael Lucchesi, em que ele responde às perguntas:
00:00:00 – O que a pesquisa revela da visão dos empresários sobre a educação no país?03:37:08 – Como o ensino técnico pode contribuir para a produtividade e competitividade das empresas brasileiras? E como ampliar a oferta?07:03:11 – Para os empresários, de quem é a responsabilidade pela formação de trabalhadores (iniciativa privada e/ou o Estado)?
O que é educação profissional e quem oferta? 
A Educação Profissional e Tecnológica (EPT), também conhecida como ensino profissionalizante, é uma modalidade da educação nacional cujo objetivo é preparar o aluno para o exercício de uma profissão. Se enquadram na modalidade: cursos técnicos; de qualificação; graduação tecnológica, ou tecnólogo; mestrado e doutorado profissionalizante. O tipo de curso mais conhecido e difundido é o técnico, que tem duração média de 1 ano e meio a dois anos e pode ser cursado por quem está no ensino médio ou já concluiu. 
Entre as principais instituições que ofertam educação profissional no país estão: os Serviços Nacionais de Aprendizagem por setor (SENAI atende indústria; SENAC, o comércio; SENAR, a agricultura e pecuária; SENAT, transporte); os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia e as escolas técnicas vinculadas às universidades, pela rede pública federal; além de instituições públicas estaduais (como o Centro Paula Souza, em São Paulo) e as escolas privadas. 

Sobre paulobsbdetodos

Também confira

Casa Baco promove programação musical especial para o mês das mulheres no festival “Baco Conecta”

Durante o mês de março elas conduzem a programação musical da Casa Baco. Todas as …